Sunday, May 15, 2011

[ENTREVISTA] Frankie Chavez

A convite do incansável Henrique Amaro, Frankie Chavez reuniu em 2010 um conjunto de temas e lançou um EP através da iniciativa Optimus Discos (download aqui). A partir desse momento foram-se sucedendo as críticas positivas e as referências elogiosas ao seu trabalho. Sempre em formato «One Man Band», Frankie vagueia entre o Blues e o Folk de inspiração americana, ainda que com influências de outras latitudes e ambientes.

Sendo neste momento um dos nomes mais promissores da música feita em Portugal e uma das revelações do blues de origem europeia, Frankie Chavez, i.e., Joaquim Chaves, lançou recentemente o seu primeiro álbum «Family Tree» e o Eclectismo Musical esteve à conversa com o músico para ficarmos a conhecer melhor o universo deste novo nome a ter em conta na música feita em Portugal.



EM: Não é só coincidência que o teu nome artístico, para além da tradução do teu nome, remeta automaticamente para uma linha Jack Johnson ou Jason Mraz, pois não? Ainda és um surfist «cool», apesar da sonoridade mais crua, mais blues?

FC:  Coincidência ou não isto começou de uma brincadeira. Na altura em que estava a pensar começar a gravar os primeiros temas com um produtor meu amigo, começámos a pensar num nome que fosse apelativo e que fizesse sentido exportar. Pensámos "se isto fosse nos states ou na Australia como é que se chamaria?" Traduzindo o meu nome à letra ficou Frankie Chavez.
Achámos que caía bem no estilo de som que eu fazia e quando dei por mim já tinha facebook e myspace. O que é certo é que soa bem, pelo menos a mim.

Quanto ao surf: já fiz mais surf do que agora…. Agora não tenho tido muito tempo. Mas sempre que posso gosto de ir.



EM: A tocar guitarra desde os 9 anos, os Blues sempre foram a maior paixão? Como descobriste a tua veia de «cantautor»?

FC:
Comecei a tocar desde muito cedo sem nunca pensar na parte da voz. O meu gosto era mesmo a guitarra e tentava sempre fazer o que os meus guitarristas de referência como o Hendrix, Gary Moore, Jimi Page faziam. Nunca pensei vir a cantar musicas minhas. Só quando pensei que queria encontrar a minha própria sonoridade é que isso aconteceu. Comecei a tocar em bares. Tocava e cantava versões das minhas influências. Na altura era Reggae, essencialmente. Depois comecei a escrever os meus próprios temas e comecei a gostar de alguns. Foi quando pensei que algumas coisas soavam bem e que podiam vir a ser canções.


EM: Em «Family Tree» entre procura, partidas e chegadas, fica claro que a Família é o teu maior pilar?

FC:
Famiy Tree nasceu das circunstâncias. Tive 2 anos carregados de experiências pessoais fortes. Fui pai, mudei de casa 2 vezes, casei, lancei o meu primeiro EP… foram coisas que me marcaram como pessoa e que convergiram no mesmo sentido que foi o de começar uma família e de apostar num caminho que queria seguir. Foi uma época de balanço e de pensar na vida. De onde vim e para onde quero ir. Quando estava a preparar o disco escrevi o tema "Family Tree" e achei que essas duas palavras resumiam todo o álbum.


EM: Antes do EP da Optimus Discos, o projecto no formato «One Man Band» já era o que perspectivavas para a tua carreira enquanto músico, ou ponderavas repetir projectos com os Toranja?
FC: Não. O formato de One Man Band surgiu porque já tinha temas que funcionavam bem nesse formato e achei desafiante e honesto apresentá-los ao vivo assim. Com os Toranja foi uma estadia curta. Gostei bastante pois foi a primeira vez que fui para estudio mas não pensei em repetir projectos com Toranja.


EM: Qual consideras ser o «estado d'arte» da música feita em Portugal?
FC: Há muita coisa boa a aparecer neste momento:
 - Julie and the Carjackers: é uma banda com excelentes musicos e com uma sonoridade muito original para Portugal;
 - Norberto Lobo: é um excelente guitarrista;
 - Emmy Curl: tem uma visão musical da qual eu gosto muito e uma voz incrível;
 - DJ Ride: é dos melhores Djs que tenho visto;
 - Cais do Sodré Funk Connection: tocam possivelmente o melhor funk em Portugal;
 - You Can't Win Charlie Brown: a banda com melhores arranjos, a par e passo com Julie and the Carjackers
 - Stereo Addiction: dos melhores (senão o melhor) progressive nacional



















EM: Que relação tens com as novas tecnologias? Quais os canais que costumas utilizar de uma forma mais activa para comunicares com os teus fãs?


FC: Utilizo o Facebook e Reverbnation. Costumava utilizar o Myspace mas desde que mudaram o grafismo não me consigo entender com aquilo….
EM: Qual é a ordem do teu processo criativo? Tens um método ou varia consoante o momento?
FC: Varia entre dois métodos, penso eu. Ou escrevo primeiro a letra e depois faço a musica ou componho primeiro a musica e depois sai a letra.


EM:O que consta do percurso profissional/académico do Joaquim Chaves para além dos «alter-egos» musicais?
FC: Licenciei-me em gestão de empresas e trabalho em marketing.
EM :Que nomes colocavas no teu "Festival Ideal"? (Vivos ou não)
FC: Robert Johnson; Jimi Hendrix; Ali Farka Touré; The Black Keys; The Racounteurs; The Cat Empire; Beck; Tomatito (para começo de noite a comer umas tapas); Sublime; Ramones




















EM:
Quando olhas para ti consegues dizer: "este vai ser o meu plano de carreira", ou entendes a criação sobretudo como fruição?
FC:
este é o meu plano de carreira.

EM: Por onde vais andar nos próximos tempos? Onde é que as pessoas te podem ver?
FC:
Queima das fitas Lisboa: 13 Maio
Queima das fitas Algarve: 14 Maio
Estoril Surf Music Billabong Girls: 9 Junho
Eco Festival "Salva a Terra" (Salvaterra de Magos): 11 Junho
OutJazz: 24 Junho (Jardim do Principe Real)
Arrifana Sunset Fest: 31 Julho (Arrifana)