Friday, July 06, 2007

Super Day





Super Bock Super Rock: Act II - Day 3

Um festival de Rock que acaba com o poder de fogo electrónico dos UnderWorld, tendo pelo meio o festim disco sound dos Scissor Sisters, o rock progressivo dos TV on the Radio ou a electrónica dos Micro Audio Waves tem comprovado o seu eclectismo. O dia foi recheado de bons concertos, não sendo fácil determinar um claro vencedor, foi o dia mais equilibrado do festival, embora o concerto dos Interpol tenha sido muito provavelmente o grande momento do dia.

Micro Audio Waves – Uma prova de maturidade de um dos projectos nacionais com maior destaque além fronteiras. Pouco tempo, muita dedicação, enorme qualidade.

Ex-Wife – Actuação segura de um conjunto nacional com alguma experiência em festivais. Nota menos positiva para o número exagerado de músicas novas, que retiram sempre impacto num ambiente de festival.

The Gossip – O primeiro grande momento do dia. Muitos foram aqueles que se libertaram mais cedo dos seus afazeres para estar no Parque Tejo às 19h para ver Beth Ditto. A força da natureza que é a alma dos The Gossip interpretou com a força que lhe é reconhecida os temas de «Standing In The Way of Control» o seu interessante disco de estreia. Se Beth Ditto é aquela força da natureza depois de ter dormido apenas 2h, o que será com uma noite de sono reparadora? É um animal de palco, com um impressionante poder vocal, tal como tinha sido já possível constatar numa outra ocasião em Londres. Um grande concerto, que pecou por curto e pelo calor que se verificava no momento, a corresponder inteiramente às expectativas criadas, e não, não se despiu! Merecia horário mais tardio no alinhamento.

TV on the Radio – Prejudicados por alguns problemas no som, conseguiram passar com destaque a prova de fogo que era apresentar um aclamado mas áspero disco («Return to Cookie Mountain»), carregado de um rock progressivo difícil de assimilar à primeira audição. Balanço muito positivo.

Scissor Sisters – Com imensa energia, as plumas aterraram por momentos no Parque Tejo, para um momento de catarse para muitos indies presentes. Assistir a grande parte do público a dançar ao som do disco sound de família ABBA, mas com um conteúdo lírico sexualmente explícito, foi uma experiência deveras interessante.

Interpol – Um grande concerto, de uma grande banda. O formato Best Of utilizado por Paulo Banks e companhia propiciou uma enorme comunhão com um público conhecedor das suas principais canções. Um concerto sem grandes palavras, para além do omnipresente e obrigatório “Obrigado”, mas com um ritmo alucinante. Segundo Paulo Banks, em Novembro estarão de novo por cá, agora em nome próprio, esperando-se mais um grande concerto.

Underworld – Foi como que o brinde dado a todos os festivaleiros presentes durante três dias no Parque Tejo. Uma das referências maiores da electrónica a fechar um grande festival de Rock, que foi uma confirmação de que existe público indie em Portugal, mas que esse mesmo público tem horizontes alargados demonstrando por vezes um eclectismo notável.