Thursday, September 23, 2004

Acima da Política...Sempre a Arte!


Silvio Rodriguez



Um dos maiores nomes da Nueva Trova Cubana, construiu, ao longo de mais de 40 anos, juntamente com Pablo Milanés uma carreira recheada de grandes álbums.

Não questionado o facto de ser claramente um artista de intervenção, tendo mesmo em alguns momentos feito parte do governo cubano, o que importa salientar na sua obra é a excelência das suas criações, a beleza das suas melodias, a profusão de sentimentos que resultam da audição das suas composições.

Com mais de 30 álbuns editados em diversos países, tem vindo progressivamente a alargar os seus horizontes musicais, parecendo nos últimos álbuns - Expedicion de 2002 e Cita Con Angeles de 2003, querer introduzir alguns elementos electrónicos, bem como, a gravação em conjunto com uma orquesta, criando uma roupagem mais forte, o que poderá fazer há primeira vista esquecer um pouco a importância das letras.

Mas, o poeta continua bem vivo, e as letras mesmo convivendo agora com muitos outros instrumentos, para além da antiga e fíel companheira voz e guitarra, não perderam a sua beleza e continuam a ser o ponto decisivo que tornam Silvio Rodriguez num artista a caminho do Olímpo.

Um excelente site sobre a sua Obra - Silvio Rodriguez

“Te doy una canción”

Cómo gasto papeles recordándote,
cómo me haces hablar en el silencio,
cómo no te me quitas de las ganas
aunque nadie me vea nunca contigo,
y como pasa el tiempo que, de pronto son años
sin pasar tú por mi, detenida.

Te doy una canción si abro una puerta
y de las sombras sales tú.
Te doy una canción de madrugada,
Cuando más quiero tu luz.

Te doy una canción cuando apareces
el misterio del amor,
y si no lo apareces, no me importa:
yo te doy una canción.

Si miro un poco afuera, me detengo:
la ciudad se derrumba y yo cantando.
La gente que me odia y que me quiere
no me va a perdonar que me distraiga.
Creen que la digo todo, que me juego la vida,
porque no te conocen ni te sienten.

Te doy una canción y hago un discurso
sobre mi derecho a hablar.
Te doy una canción con mis dos manos,
Con las mismas de matar.

Te doy una canción y digo Patria,
Y sigo hablando para ti,
Te doy una canción como un disparo,
como un libro, una palabra, una guerrilla:
como doy el amor.